julho 21, 2012

SATELITE BOLINHA



Depois do gato de água, do gato de luz e do gatonet, é hora de lembrar outro gato que percorre o Brasil: o gato de satélite. 

A prática não é nova - existe há anos, desde que se tornou padrão e fácil de dominar a tecnologia usada pelos chamados satélites "Bolinha", os aparelhos americanos chamados FLTSATCOM, lançados ao espaço entre 1978 e 1989 pela Marinha dos EUA. 

São satélites geoestacionários utilizados para comunicações militares entre bases terrestres, navios, aviões e submarinos.

Em meados dos anos 90, técnicos e operadores de rádio brasileiros descobriram que poderiam usar determinadas frequências operadas por esses satélites (que, apesar de antigos, ainda são usados nas comunicações militares americanas). 

Desde então, a farra nas comunicações via satélite se instalou, com os gatos sendo usado para conversas de tudo quanto é tipo, especialmente em áreas com pouca cobertura de tecnologias de comunicação.

A bagunça parece ter chegado ao ápice no mês passado, quando os usuários de gatos satelitais ruidosamente comemoraram um gol do Corinthians. 

Operadores militares americanos ficaram estarrecidos e a história foi até parar na "Wired" na semana passada. Não deu outra:

 Os militares americanos reclamaram com o governo brasileiro e isso deu início à Operação Satélite, de caça aos gatos - conta o delegado da Polícia Federal Ronaldo Guilherme Campos, de Santa Catarina, que coordenou a operação a partir de Minas Gerais em várias cidades e estados.


A ação da PF se deu no fim de março e cumpriu 20 mandados de busca e apreensão em cidades como Uberlândia, Governador Valadares, Caratinga e Ubaporanga (em Minas), Goiânia (GO), Campo Grande (MS), São José (SC) e Palmas, Araguaiana, Barra do Garça e Mato Grosso (em Tocantins). 

Segundo o delegado da PF, foram detidos 20 usuários dos gatos, mas ainda se investigam pelo menos mais cinco. 

Os 20 não ficaram presos, no entanto, porque a investigação prossegue e quer ir mais fundo, até os responsáveis pela fabricação dos aparelhos de interceptação clandestina dos satélites.





Esses usuários se valiam de diversos canais na internet, como Orkut, MSN e afins, para saber como obter os aparelhos e como fazê-los funcionar - conta Ronaldo. - De posse das informações, montavam o gato em casa, de forma bem artesanal e rudimentar, com equipamentos-padrão e, novamente com a ajuda da internet, ajustavam-nos para as configurações mínimas para interceptar a frequência dos satélites. Isso quando não compravam o esquema já pronto.

A revista americana comentou que as caronas sem fio são também usadas por traficantes de drogas para troca de informações e coordenar operações criminosas, mas Ronaldo não encontrou sinais disso na operação que coordenou.

É como se fosse um noticiário aberto a todos

- A comunicação nesses gatos não é criptografada, isto é, qualquer um que entra na frequência pode ouvir o que os outros estão falando - explica. - É como se fosse um noticiário aberto a todos. Por isso, são mais usadas em conversas e trocas de informações comuns. Os criminosos procuram usar alguma forma de comunicação criptografada. A maioria absoluta dos usuários se vale do gato como se fosse um Nextel gratuito.

O que não significa que os gatos de satélite sejam legais. Nada disso: seu uso é tipificado como crime na Lei Geral de Telecomunicações (artigo 183) e pode dar até quatro anos de detenção, além de multa. A Operação Satélite deixou isso bem claro.

- A operação visou a materializar esse crime, embora a maioria das autoridades policiais preferisse não efetuar prisões dos usuários (na verdade, foi efetuada apenas uma), preferindo prosseguir em direção à fabricação e disponibilização dos meios para o gato de satélite através da internet, por exemplo - explica Ronaldo. - O importante é coibir a prática, que está interferindo com as operações militares americanas.

Embora a Marinha americana esteja trabalhando numa nova geração de satélites chamada MUOS (Mobile User Objective System) para substituir os velhos FLTSATCOM, eles ainda são bastante usados, e Ronaldo diz que é difícil coibir tecnologicamente a pirataria, pois os transceptores são facilmente adaptáveis para interceptar a frequência. 

De qualquer modo, a PF está fazendo a perícia nos aparelhos apreendidos e vai continuar de olho. 

Até aparecer algum novo gato por aí.


After the cat water, cat Light and gatonet, it's time to remember another cat that runs Brazil: the cat satellite.
The practice is not new - been around for years, since becoming a standard and easy to master the technology used by satellites called "Marble", the Americans called FLTSATCOM appliances, launched into space between 1978 and 1989 by the U.S. Navy.
Geostationary satellites are used for military communications between land bases, ships, aircraft and submarines.
In the mid-90s, technicians and radio operators discovered that Brazilians could use certain frequencies operated by these satellites (which, although old, are still used in U.S. military communications).
Since then, the fun communications satellite was installed, with cats being used for conversations of all sorts, especially in areas with little coverage of communication technologies.
The mess seems to have peaked last month, when users of satellite cats noisily celebrated a goal for Corinthians.
U.S. military operators were stunned and the story was to stop at "Wired" last week. Gave no other:
 The U.S. military has complained to the Brazilian government and this started the Operation Satellite, hunting cats - account of the Federal Police Chief William Ronaldo Campos de Santa Catarina, who coordinated the operation from Minas Gerais in various cities and states.
The action of PF occurred in late March and served 20 search warrants and seizure in cities like Uberlândia, Governador Valadares, and Caratinga Ubaporanga (Minas), Goiânia (GO), Campo Grande (MS), San Jose (SC) and Palmas, Araguaiana, the Crane Bar and Mato Grosso (in Tocantins).
According to the delegate of PF, were arrested 20 users of cats, but are still investigating at least five more.
The 20 prisoners were not, however, because the investigation continues and wants to go deeper, until those responsible for manufacturing the devices illegal interception of satellite.

2 comentários:

  1. olá! cara, ótimo conteúdo de blog/textos, mas péssimo no quesito imagens de fundo, programação visual, se não usar a função selecionar o texto, não da pra ler nada!! obrigado, sucesso, abraço

    ResponderExcluir
  2. Para mim baboseiras!!! Pois pessoas se preocupa muito com oque nao e deles e o governo cada dia mais ricos com idiotas fica a dica!!

    ResponderExcluir