outubro 31, 2016

PU1RDF - PY1NM - PY1VOY - ANIVERSARIANTES DO DIA


PU1RDF REZENDE ADELSON DA SILVA
QUEIMADOS / RJ 



PY1NM MENDO NAVARRO GOMES MONTEIRO
RJ  - RJ 

PY1VOY RICARDO DE SOUZA CARVALHO
RJ / RJ


114 ANOS DE CARLOS DRUMOND DE ANDRADE



CARLOS DRUMOND DE ANDRADE

ESCRITOR BRASILEIRO


1902, 31 de outubro:

Carlos Drummond de Andrade nasce em Itabira do Mato Dentro, Estado de Minas Gerais, filho do casal fazendeiro Carlos de Paula Andrade e Julieta Augusta Drummond de Andrade.

- 1910: Aluno do grupo escolar, em Itabira.

- 1916: Interno no tradicional Colégio Arnaldo, de Belo Horizonte.

- 1918: Vai para Friburgo, estudar no Colégio Anchieta, dos jesuítas, onde colabora no jornal Aurora Colegial.

- 1920: Muda-se para Belo Horizonte.

- 1921: Publicações no jornal Diário de Minas. Freqüenta a Livraria Alves e o Café Estrela, pontos de encontro de escritores em Belo Horizonte.

- 1924: Inicia correspondência com o poeta Manuel Bandeira. Conhece Blaise Cendrars, Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral, Mário de Andrade e começa a corresponder-se com este.

- 1925: Casa-se com Dolores Dutra de Morais. É um dos fundadores de A Revista, publicação modernista. Forma-se farmacêutico.

- 1926: Redator do Diário de Minas.

- 1927: Nasce, a 21 de março, seu primogênito, Carlos Flávio, que vive apenas meia hora.

- 1928: Nasce, a 4 de março, sua filha Maria Julieta.

- 1930: Publica Alguma Poesia. Com a Revolução, torna-se oficial de gabinete do amigo Gustavo Capanema, Secretário do Interior.

- 1934: Publica Brejo das Almas. Transfere-se para o Rio de Janeiro, como chefe de gabinete do Ministro da Educação e Saúde Pública. - 1940: Publica Sentimento do Mundo.

- 1942: A Editora José Olympio lança seu livro Poesias

- 1944: Publica Confissões de Minas. - 1945: Saem A Rosa do Povo e O gerente. É chamado por Rodrigo M. F. de Andrade para trabalhar na Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

- 1947: Publica Poesia até agora.

- 1951: Publica Claro enigma, Contos de Aprendiz, A mesa.

- 1952: Saem Passeios na ilha e Viola de bolso.

- 1954: Lança Fazendeiro do ar & Poesia até agora. Começa a colaborar no jornal Correio da Manhã.

- 1955: Sai Viola de bolso novamente encordoada.

- 1956: Lança os 50 Poemas escolhidos pelo autor.

- 1957: Fala, amendoeira e Ciclo são publicados.

- 1962: Saem Lição de coisas, Antologia Poética, A bolsa & a vida. Aposenta-se.

- 1963: Prêmios :Fernando Chinaglia, da União Brasileira de Escritores e Luísa Cláudio de Souza, do PEN Clube do Brasil, pelo livro Lição de coisas.

- 1964: A Editora Aguilar publica sua Obra completa. -

1965: Publica, em colaboração com Manuel Bandeira, Rio de Janeiro em prosa & verso.

- 1966: Publicação de Cadeira de balanço, Versiprosa, José e Outros, da antologia Minas Gerais, na Coleção Brasil, Terra e Alma.

- 1968: Boitempo e a falta que ama. Início da colaboração no Jornal do Brasil. É publicado o volume Reunião (10 livros de poesia).

- 1971: Sai Caminhos de João Brandão. -

1971: Lançada a Seleta em prosa e verso.

- 1972: Sai O poder ultrajovem. Por ocasião do seu 70o aniversário, vários jornais brasileiros publicam suplementos comemorativos.

- 1973: Impurezas do branco, Menino antigo (BoitempoII ). Prêmio de Poesia da Associação Paulista de Críticos Literários.

- 1975: Lançamento de Amor, amores.

- 1977: Saem A visita, Discurso de primavera e algumas sombras e Os dias lindos. do mundo.

- 1978: 2a edição, corrigida e aumentada, de Discurso de primavera e algumas sombras. Publicação de 70 historinhas e O marginal Clorindo Gato.

- 1979: Esquecer para lembrar (Boitempo III ).

- 1980: Lançamento de A paixão medida, em edição de luxo.

- 1981: Publica Contos plausíveis em edição de luxo e, com ilustrações de Ziraldo, O pipoqueiro da esquina.

- 1982: Por ocasião dos 80 anos do escritor, são realizadas exposições comemorativas. Recebe o título de doutor honoris causa pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Publica A lição do amigo - Cartas de Mário de Andrade a Carlos Drummond de Andrade, com notas do destinatário.

- 1983: Publica Nova reunião (19 livros de poesia ) e O Elefante (infantil ).

- 1984: Assina contrato com a Editora Record.

Despede-se do Jornal do Brasil, com a crônica “Ciao”. Saem Boca de Luar e Corpo.

- 1985: Publica Amar se aprende amando, O observador no escritório (memórias ), História de dois amores (infantil ) e Amor, sinal estranho.

- 1986: Publica Tempo, vida, poesia. Escreve poemas para a edição comemorativa do centenário do poeta Manuel Bandeira.

- 1987: Sua filha Maria Julieta falece, a 5 de agosto.

Drummond morre a 17 do mesmo mês, deixando então inéditos O avesso das coisas, Moça deitada na grama, Poesia errante (Viola de bolso III), O amor natural, Farewell, e Arte em exposição, além de crônicas, dedicatórias em verso por ele coletadas, correspondência e um texto para espetáculo musical ainda sem título.

Homenagem de Maria Consuelo Chagas Campos

@RADIOAMADORISMOCARIOCA

DIA DO MATERIAL BELICO DO EXERCITO





O Quadro de Material Bélico realiza o apoio logístico voltado para a manutenção do material bélico, principalmente, os armamentos, as viaturas e as aeronaves. Inclui-se aí, o suprimento de peças e conjuntos de reparação destinados a esses materiais.
 Cuida ainda, do suprimento de combustíveis, óleos, graxas e lubrificantes para motores e máquinas.
O Exército Brasileiro criou o Quadro de Material Bélico (QMB), em decorrência da participação brasileira na II Guerra Mundial.
 Segundo estudiosos de história militar, a última grande guerra teria sido vencida, principalmente, pela Logística. Graças a esta, os blindados de Patton e as viaturas de Bradley mantiveram-se em estado permanente de disponibilidade. 
Essa eficácia operacional resultou da capacidade dos exércitos aliados de manterem seus veículos em funcionamento quase ininterruptamente.
 A Força Expedicionária Brasileira pôde comprovar, naquela ocasião, esses exemplares padrões de manutenção e suprimento. Portanto, dessas lições históricas veio a criação do QMB.
A assertiva do imperador francês Napoleão Bonaparte “Os exércitos marcham sobre seus estômagos” ganhou roupagem nova na guerra moderna de armas tecnologicamente sofisticadas.
Na verdade, podemos afirmar que, conforme têm demonstrado os conflitos recentes, “os exércitos marcham sobre seu apoio logístico”.
De 1959 até os dias atuais, muito se fez pela evolução do Quadro de Material Bélico. 
O desafio, agora, é dar continuidade a esse esforço evolutivo. Para isso, dispomos de muitos casos por estudar, como, por exemplo, as experiências de forças brasileiras em Moçambique e em Angola, na presente década.
Devemos ter em mente que a má logística do material pode resultar em derrota militar e em efeitos devastadores sobre o moral da tropa. O sucesso na guerra depende, em grande parte, do apoio logístico.
E, dessa infraestrutura logística eficiente e rápida, destacamos, hoje, as atividades de manutenção, transporte e suprimento de material bélico.

Evolução Doutrinária do Quadro de Material Bélico
O desenvolvimento de uma doutrina específica para o emprego do Quadro de Material Bélico baseou-se, inicialmente, na Portaria nº 155 – Reservada, de 31 de outubro de 1962, que se referia à organização do Material Bélico.
Durante vários anos, manuais estrangeiros adaptados à realidade brasileira foram utilizados nos cursos de formação e aperfeiçoamento de Material Bélico.
Em 1982, foi editado o Manual C 9-7 – Companhia de Material Bélico do Batalhão Logístico, primeiro documento a regular o emprego em campanha de uma organização militar do Quadro. Dois anos depois, surgia o C 29-15 – Batalhão Logístico.
Em 1986, foi editado o Manual de Campanha C 9-1 – Emprego do Material Bélico, com doutrina que preconizava para o Quadro as seguintes missões:
Em 1993, o Manual C 100-10 – Logística Militar Terrestre adotou uma visão sistêmica da logística (aprofundada, posteriormente, pelo novo C 100 – 5 – Operações, edição 1997), que estabeleceu, como apoio logístico ao combate, as missões de prever, prover e manter a Força nas áreas de material e pessoal.
(Texto baseado em artigos publicados na revista "Material Bélico" – Mais de dois séculos de História, da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais.)
O Material Bélico e a Logística: vitais para os exércitos!
Os últimos conflitos ratificaram a importância cada vez maior do papel da Logística como interface entre todos os níveis do espectro estratégico-operacional. Mais do que multiplicador de combate, a Logística passou a ser definidora do curso das guerras.
No próximo século, os exércitos evoluirão à medida que sejam capazes de assimilar doutrina e organização modernas, bem como treinamento e uso intensivo de tecnologia avançada. A Logística militar do século XXI terá como características fundamentais: agilidade, visibilidade, flexibilidade, confiabilidade, previsão e pronta resposta, sendo também fruto de relacionamento com a indústria e a pesquisa.
No Exército Brasileiro, como resposta às necessidades de integração e racionalização, o Departamento Logístico, oriundo da fusão do Departamento de Material Bélico e do Departamento-Geral de Serviços, passa a realizar de forma centralizada todas as funções logísticas (prever, prover e manter) relativas à área do material, por meio de diretorias identificadas com as atividades de suprimento, transporte, mobilização e manutenção.
O Quadro de Material Bélico, vem reunindo experiências diversificadas que solidificaram seu papel no apoio logístico às operações militares, tomando parte de exercícios de adestramento em todos os rincões do País e contribuindo para a preparação das tropas brasileiras enviadas ao estrangeiro em missões de paz.

Igualmente vem constituindo peça fundamental na supervisão e execução rotineiras de manutenção e fornecimento de suprimentos.



O patrono do Quadro de Material Bélico é o Tenente-General Napion.

outubro 30, 2016

outubro 29, 2016

PU1JVR - PU1RCH - PY1AHD - PY1EAG - PY1FT - PY1HDT - PY1PE - PY1RBM -PY1TC - ANIVERSARIANTES DO DIA



PU1JVR JOÃO BATISTA SALVADOR DE CARVALHO 
VOLTA REDONDA- RJ 

PU1RCH FABIO LIMA ROCHA
BARRA MANSA - RJ 




PY1AHD ALEXANDRE GRIMBERG
RJ - RJ 


PY1EAG PEDRO NUNES DE MORAES 
VARRE SAI -RJ 


PY1FT FLORIVAL TENORIO 
RJ - RJ 


PY1HDT SEBASTIÃO AECIO SARAGO 
MARICA - RJ 

PY1PE ALEX SANDRO RODRIGUES DA SILVA
RIO DAS OSTRAS - RJ 


PY1TC TEONAS CARVALHO FERREIRA
RJ - RJ 


PY1RBM REINALDO BENEDITO DE MORAIS 
RJ - RJ 

outubro 28, 2016

CAMISETAS PERSONALIZADAS NO DIA DO RADIOAMADOR




PARA ADQUIRIR A  CAMISA PERSONALIZADA DO DIA DO RADIOAMADOR BRASILEIRO, BASTA FAZER O DEPOSiTO DE 30,00 REAIS NA CONTA DO BANCO ITAU...

Itaú

Ag. 0305

Cc. 32932-8

Giovani de A. Alves

NÃO ESQUECER DE ENVIAR OS DADOS PARA O EMAIL DO GIOVANI

nome,prefixo e tamanho!!

Nós entregaremos as camisas na feirinha, clube militar ou como acertarmos  via radio.

Sergio Vianna - PY1UA




Custo da camisa R$ 30,00 com a bandeira do Brasil

depósito identificado  (py ou pu)

nome e prefixo  mais tamanho

PU1JSC - PU1ROC - PY1DB - PY1XB ANIVERSARIANTES DO DIA



PU1ROC - BELMIRO VIEIRA ROCHA
 NILOPOLIS/RJ 


PU1JSC - JANDERSON SIQUEIRA COSTA 
 NOVA FRIBURGO/RJ 



PY1DB LEANDRO  DA SILVA LOYOLA
NOVA FRIBURGO - RJ 


PY1XB - GRACINDO FANTINI 
RJ / RJ 


MUNICIPIO DE ITAOCARA - 126 ANOS


ITAOCARA 
126 ANOS 


Itaocara é um município situado no noroeste do estado do Rio de Janeiro.

Sua população, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), era de 22 824 habitantes em 2014.



Devido à luta entre os índios Coroados e Puris, os religiosos Capuchinhos que colonizavam São Fidélis sentiram a necessidade de criar, no local das divergências, uma nova aldeia, que, acolhendo uma das tribos, separasse os litigiantes.

 Em 1809, o frei Tomás, da cidade de Castelo, chegou às terras escolhidas para a fundação da aldeia, a qual denominou São José de Dom Marcos, em homenagem ao antigo vice-rei Marcos de Noronha e Brito.

O nome escolhido não criou raízes no pensamento dos habitantes, que preferiram designar o local de "Itaocara", termo tupi que significa "praça de pedra", através da junção dos termos itá ("pedra") okara ("praça") , em referência ao penhasco que lhe fica fronteiro, na margem oposta do Rio Paraíba do Sul.

No século XIX e início do século XX, como o ocorrido em todo o interior do estado, recebeu significativa mão de obra de imigrantes, sobretudo de origem sírio-libanesa.

outubro 27, 2016

PU1UFO - ANIVERSARIANTE DO DIA


PU1UFO FERNANDO CESAR ARALDO GONÇALVES
RJ - RJ 



104 ANOS DE BONDINHO DO PÃO DE AÇUCAR


Bondinho do Pão de Açúcar é um teleférico localizado no bairro da Urca, no município do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil

Liga a Praia Vermelha ao morro da Urca e ao morro do Pão de Açúcar

É uma das principais atrações turísticas da cidade. 

Foi inaugurado (o seu primeiro trecho, entre a Praia Vermelha e o Morro da Urca) em 27 de outubro de 1912 e, desde então, já transportou cerca de 37 milhões de pessoas, mantendo uma média atual de 2 500 visitantes por dia.

 O seu nome vem da semelhança dos carros do teleférico com osbondes que circulavam no Rio de Janeiro à época de sua inauguração.


outubro 26, 2016